Esportes - 27 Abr 2018 15:17

Grupo de estudos da Unochapecó discute as subjetividades do futebol

Por: Nathan Favero Varela
 

Algumas pessoas herdam características físicas e a personalidade dos pais, dos tios ou dos avós. Isso aconteceu com a estudante do Mestrado em Educação, Eduarda Moro. Junto com as características, ela puxou de seu pai a paixão pelo futebol e, no ano passado, ajudou a fundar um Grupo de Estudos Sobre Futebol na Unochapecó, o Gefut. O projeto é aberto à comunidade e os encontros acontecem a cada 20 dias no Laboratório de Estudos de Educação Física (LAPEF), localizado no bloco G da Unochapecó.

Eduarda se formou no curso de Psicologia da Universidade e entrou no mestrado em 2016. O futebol sempre foi muito presente na vida da jovem, que costumava acompanhar todos os jogos da Chapecoense. Quando chegou a etapa do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), na graduação, ela se deu conta que poderia juntar a paixão pelo esporte e pela profissão. “Eu descobri que poderia levar esse gosto pelo futebol para outro lado, explorar um pouco sobre como se constitui enquanto um esporte de espetáculo da nossa cultura. Então eu comecei a ter outra visão dessa área”, conta a psicóloga. Foi assim que Eduarda teve seu primeiro contato com a Psicologia do Esporte.

A jovem passou dois meses em pesquisa de campo, onde acompanhava a rotina de treinamento e jogos das categorias Sub-15, Sub-17 e Sub-20 da Chapecoense. Assim, ela percebeu que o esporte produz subjetividades e também que o preconceito com a mulher e o futebol segue presente no dia a dia. “Esse estigma da mulher no futebol ainda é muito forte”, lamenta Eduarda.

Além disso, a psicóloga percebeu como essas subjetividades afetam os jovens atletas. “Quando a gente olha para esses atletas em formação, esses guris da Base, percebemos que eles tentam se portar e vestir de uma forma muito parecida com os jogadores profissionais. Quando eu consegui observar esse fenômeno mais de perto, me interessei ainda mais pela formação de atleta”, acrescenta. Foi a partir dessa experiência que a jovem entrou em contato com o professor de Educação Física da Unochapecó, Felipe Cordellini.  Ele atuou como treinador e possui mestrado na área de treino de alto rendimento. Juntos eles fundaram o grupo de estudos da Universidade. A iniciativa ainda é inspirada no grupo de estudos sobre futebol do treinador da base do Figueirense, Rodrigo Casarin.


Discussão sobre esporte na Unochapecó

A proposta é entender o futebol enquanto fenômeno social, midiático e contemporâneo. Que produz subjetividades e reflete em milhares de jovens atletas que sonham em ser os próximos craques a brilhar dentro dos campos. “É importante que a Universidade seja um espaço onde as pessoas possam conversar e debater. Hoje temos mais mulheres do que homens no grupo e eu acho isso fantástico, pois movimentos assim, pequenos, são transformadores e possibilitam cada vez mais essa desconstrução de que o futebol é um lugar de homens”, explica Eduarda.

O Gefut começou no ano passado e é coordenado pelo professor Felipe e pela Eduarda. Tem a participação de alunos dos cursos de Educação Física, Psicologia e estudantes que realizam estágio nas categorias de base da Chapecoense. “Temos hoje acadêmicos de Psicologia, ex-atleta, treinadores e preparadores físicos da base da Chapecoense. E logo devem ingressar jogadoras do futsal da Unochapecó/Female”, conta Eduarda.

Os estudos abrangem temáticas como: futebol e subjetividade, futebol e mídia, torcidas organizadas, mulheres no contexto futebolístico, formação de atletas, entre outros. “A ideia é expandir para outras áreas. O grupo é aberto para participação de qualquer acadêmico ou profissional que se interesse pelo tema”, lembra a mestranda. Por isso, fica o convite para todos os estudantes que se interessam pelo tema e desejam participar. Quem quiser entrar em contato pode falar com a Eduarda no e-mail: eduardamoro@unochapeco.edu.br


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Chapecó.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar