Por: Quirino Ribeiro
Visualizações: 410
Reprodução da coluna publicada no Jornal Sul Brasil de Chapecó

STF NÃO É ONIPOTENTE

Geral - 01/06/2017

A delação premiada feita pelos irmãos Batista (JBS) deve ser revista pelo Supremo Tribunal Federal, pois foi tratada de forma extremamente generosa, mais ainda quando se examina aquela da Odebrecht. Como explicar a essa gente que vai para o trabalho, luta diariamente e para aqueles que procuram emprego que aquelas pessoas que saquearam, anos a fio, o Estado, dilapidaram os bens públicos, estão soltos vivendo alegremente no exterior com suas famílias e desfrutando o dinheiro roubado?

OS IRMÃOS BATISTA
Pagaram uma quantia pequena, diante daquilo que sacaram no BNDES e do Tesouro Nacional. Enquanto isso, o brasileiro sofre as consequências da roubalheira impune. Por isso, é preciso rever e discutir os termos dessa delação premiada. Esse instituto (deleção premiada) precisa ser apoiado, porque através dele se descobriu as falcatruas e suas verdadeiras dimensões contra os cofres públicos.

A IMPUNIDADE DOS INFRATORES
Fere princípios e normas estabelecidas. O enriquecimento da JBS é uma das coisas mais espetaculares que aconteceu neste País e, o mais grave dito por eles mesmos, à custa do erário e movidos à propina. O Poder Judiciário e o Ministério Público devem uma explicação à sociedade, pois eles não são onipotentes. O suor e o trabalho dos brasileiros não podem ser negociados sem a concordância dos mesmos.

BARCO À DERIVA
O Brasil hoje é um barco à deriva que perdeu o rumo em uma difícil e perigosa travessia. Os homens de Brasília são a tripulação que deveria unir forças para salvar o barco, mas parte dela está amotinada contra o comandante e a outra parte tentando defendê-lo. E quase todos agarrados a seus interesses pessoais políticos e corporativos, poucos estão preocupados com a segurança e o rumo da embarcação. Esquecem que se ela for à pique, eles vão junto.

OS DEMAIS BRASILEIROS
Passageiros desse barco, estão aflitos e indignados diante das atitudes daqueles que deveriam, pelo menos nesse momento, ter um pouco de patriotismo, dignidade, espírito de sacrifício por parte de todos, porque esse belo país não aguenta e nem merece tanto desaforo. O momento é de união, boa vontade e sacrifício. O Brasil merece

RETROCESO SEM NEXO
Deu a louca no Brasil, o país está sofrido, cansado em uma guerra dividida entre a plebe e o poder, entre a plebe e a burguesia. Com vandalismo não se constrói uma nação, não se vai à luta tendo as mesmas atitudes de seu inimigo, talvez o que falta para a plebe é agir mais com a razão do que com a emoção, mostrar para as autoridades que apenas queremos o certo, porém, de forma pacífica, sem se igualar a essas e outras pessoas.

NOSSO PAÍS
Esta cada vez mais se perdendo no ódio, na ganância, na maldade e no maldito poder, poder de usar Forças Armadas para, sim, controlar marginais ou protestantes que só querem paz. Mas existe e existiram tantas vezes que o país necessitou das Forças Armadas e que ela nem sequer foi citada. E isso mostra, mais uma vez que o governo age de maneira errada, e a criminalidade é apenas uma pequena consequência disso tudo!

“De nada serve uma bússola...Num barco á deriva...” (Fernando Pinheiro).

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Chapecó.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Chapecó.

Blogueiros & Colunistas

Voltar